Notícias

30 de Abril de 2015

Não abuse: seu corpo e mente precisam descansar

Especialista em felicidade e desenvolvimento humano, a psicóloga Angelita Scárdua é enfática: abrir mão do descanso pode causar danos a saúde mental. “Nossa rotina diária possui vários fatores que prejudicam o bem estar. O trânsito que enfrentamos, os horários definidos, o próprio ritmo da vida cotidiana. Estas pequenas tarefas geram estresse. De certa forma, ele é tolerável no dia a dia, mas o acúmulo disso pode representar um risco”, explica.

O acúmulo desses problemas pode gerar um quadro de ansiedade, além da sensação de estafa física e emocional. Angelita Scárdua destaca que as férias oferecem uma oportunidade única de descansar a mente. “Esse papel não pode ser cumprido por folgas isoladas ou pelo final de semana. Nestes dias continuamos envolvidos com os mesmos ambientes e tarefas. O recesso não é completo”, acredita.

O ideal, para a psicóloga, é se afastar de tudo e realmente descansar. “O cérebro humano se alimenta muito do que é novo. Viver ligado nos mesmos fatos torna nossa cabeça preguiçosa, não nos estimula a criar e aprender mais. Isso faz, inclusive, com que as pessoas tenham dificuldade em focar nos objetivos do trabalho e até mesmo influenciam no humor”, recomenda.

Descanso

Nas férias, neurotransmissores saudáveis como a citosina e a dopamina são liberados. O corpo humano precisa destas substâncias para ficar mais relaxado e feliz. Do ponto de vista médico, o clínico geral Cristiano Cesana explica que esse período sem preocupações e obrigações deve ser aproveitado para cuidar de emoções. “É a hora de atender nossas necessidades emocionais. O estilo de vida corrido e agitado dos dias atuais não nos deixam tempo para cuidar de nós mesmos”, diagnostica.

Aqueles que mesmo de férias insistem em ficar checando e-mail e mantendo contato com o trabalho todo o tempo podem sofrer desde pequenas dores de cabeça e fadigas até problemas cardiovasculares, infartos e arritmias. “As férias devem ser usadas para se desligar das atividades cotidianas. Não fazer isso pode gerar muitos transtornos mentais. É realmente grave”, alerta Cesana. 

Trabalhar mais não significa render mais

Estudos comprovam a necessidade de um período de recuperação após o desempenho de atividades geralmente desgastantes. Nós precisamos de descansar. Se ficarmos muito tempo só produzindo, uma hora o corpo vai acusar. É um caso de saúde.

Glauber Cabral, especialista em recursos humanos, alerta que até mesmo o desempenho dos empregados pode cair caso os mesmos não parem por algum tempo. “Existe um indicador ligado a produtividade que diz que todo ser humano precisa de para um pouco com as atividades laborais. Tanto as de cotidiano como as mensais. Ainda existem empresas que insistem em comprar esse período de descanso. Isso é um erro que pode gerar problemas como faltas não justificadas e até mesmo as justificadas por doença. Por esses motivos é importante parar”, diz.

E as crianças, como ficam?
 
Por regra, adultos possuem muitas responsabilidades, crianças não. Mas com o grande número de aulas de balé, línguas estrangeiras, karatê e semelhantes os pequenos começam a apresentar quadros de estresse. “De uma forma geral, a criança tem menos informações para processar que o adulto. Assim, muitas novidades aparecem no dia a dia e refrescam a cabeça delas. Porém, existe um alerta. Crianças com muitas atividades podem se estressar tanto quando o adulto. E para elas os efeitos são piores, porque para o desenvolvimento infantil é preciso que as crianças fantasiem mais e criem seu próprio mundo. As férias devem servir para isso”, explica. 

Fonte: Gazeta Online

voltar